Entrada Heterosexuais

Heterosexuais

REVISTAS

Revistas A alma ficou solta como um pássaro, depois de certos pensamentos surgidos. Ligada a disposição de ler livros, comprar outros tantos e ver aquele sorriso, se dirigiu ao banheiro. O estilo de livros que gostava foi quem deu início a esta disposição. A alegria transparente fazia com que a água fria fervesse. A espuma, as partes, a bucha. Pela janela do quarto o vento trazia um frescor sobre a pele nua. Deixou que secasse ao meio ambiente lembrando daquele olhar. E que olhar! Um dia se encontraria em seus encantos. Depois de seca passou ao seu segundo banho. Desta vez era um banho de creme (o creme) que trazia a carne sensações quase incontrolável. Perfeito! Unhas feitas (lindas unhas), os fios do cabelo soltos como suaves folhas ao vento, o perfume (aquele perfume). A saia longa e a blusa comprida com dois v frontais de ponta cabeça; deixando a desejar a nuança dos seios e do umbigo. O brinco, o colar, o lápis de olho, o batom, o anel, o relógio, o salto alto, o cartão de créditos e agora só o momento a esperava. O ônibus gentilmente lhe abrigou enchendo-se de euforia. Ao chegar ao seu pré-destino o clima artificial estava frio, mais ele esquentava em sua presença ardente e passageira através de olhares. Pessoas de idades diversas, calmas e apressadas perambulavam em todas as direções. Ao fundo uma música lhe fez chamar desta vez a atenção. Uma voz masculina no térreo caia a cantar. Ela parou no espaço e tempo, encostou em uma parede e começou a sonhar com a visão da pessoa, que por um dos motivos, havia lhe trazido ali também. “...Nem mesmo o céu, nem as estrelas Nem mesmo o mar e o infinito Não é maior que o meu amor nem mais bonito Me desespero a procurar Alguma forma de lhe falar Como é grande o meu amor por você...” Admirou-o mais um pouco, sem deixar ser vista. Por isso pegou um caminho mais longo em direção a livraria. Com um ar feliz por tê-lo visto mais uma vez cumprimentou atenciosamente todos na livraria. Seguiu para as prateleiras que lhe interessava e mergulhou seus pensamentos naquele universo. Em suas mãos passavam livros já lidos ou não. “Erótica universalis”. Erótico e sexual! Um livro que conta através de figuras em objetos, ou não os relacionamentos sexuais do tempo. O desenho da capa é animador! “Afrodisíaco de A a Z”. Mostra-nos que afrodisíaco não é só comestível, mais também é visto, sentido, cheirado e imaginado. Uma revista pornô é afrodisíaca. Um decote, um filme, um perfume e uma textura também são afrodisíacos. Tudo que é capaz de levar o ser a excitação é afrodisíaco. Para pessoas já com no assunto, o livro faz ampliar a realidade dos afrodisíacos e desmascara outros tantos. “Os órgãos de Adão - Potência e fertilidade masculina”. O título deixa a desejar Você precisa ver o índice dele! Hum! Mais quem deveria lê-lo são os homens, para ampliarem seus conhecimentos sobre seus órgãos genitais. “Série curiosidades – Sexo”. É um livro de bolso e para lê-lo o dicionário é indispensável. Relata a vida sexual de pessoas que marcaram época. E nesse relatar, acaba diferenciando (esclarecendo) masoquismo, sadismo, sadomasoquismo, ninfomaníaco, zoofilia, mixoscopia e fetichismo (restifismo, urofilia). É um pequeno grande livro. Seis e quatro. “A dupla chama amor e erotismo”. “A chama é a parte mais sutil do fogo, e se eleva em figura piramidal. O fogo original e primordial, a sexualidade, levanta a chama vermelha do erotismo e esta, por sua vez, sustenta outra chama, azul e trêmula: a do amor. Erotismo e amor; a chama dupla da vida”. Ah, deu até para sonhar! Concordo com esta fala do autor. Até que enfim parece que lerei algo que fale do amor à frente da relação sexual. “Tudo que você precisa saber sobre sexo para nunca passar vergonha”. Com este título se pensa uma coisa, mais não é nada do que se pensa. Para não passar vergonha é em relação aos próprios órgãos genitais, doenças sexualmente transmissíveis e um pouco sobre a história das relações sexuais e curiosidades. “A mulher sensual”. O título não parece nada com o seu excelente conteúdo. As mulheres deveriam lê-lo. E não só uma vez, mais duas, três, quatro. Quantas vezes forem necessárias. “Super sexo em trinta dias”. Para conhecer e ter domínio das práticas sexuais precisa-se de muito conhecimento e prática. E isso não se consegue nem em um ano. Mais pelo menos o título já é um chamativo para o seu promissor conteúdo. “Manual do tesão e do orgasmo”. Tem um pouco de linguagem médica. Em determinado ponto esclarece a respeito de orgasmo, em outro tenta e já a frente confunde. Com ele se aprende até a discordar de algumas falas da autora. Porque na realidade prática e no bom senso, alguma ou algumas coisas que ela diz não é possível e nem é tomado de verdade. “O poder do sexo”. Faz uma viagem sobre o ato sexual abordado de várias formas por escritores diversos, até mesmo por Mahatma Gandhi. “Duzentas e três maneiras de enlouquecer um homem na cama”. Um ótimo livro! Elevam os conhecimentos na área e desperta a criatividade e ousadia como necessidade, antes, durante e depois do ato sexual. Está aí outro livro que as mulheres deveriam ler. Sete e cinqüenta e nove mais dez minutos. “Sexo para principiantes - A história da relação homem/mulher da idade das cavernas à era dos motéis”. Fala sobre a história dos relacionamentos sexuais e é excelente para pesquisa sobre a sua evolução. É contado como história em quadrinhos. “Segredos da mulher sedutora”. Dependendo de sua experiência ele pode se tornar um livro de leitura leve. “Arte e manhas da sedução”. Bem mais leve que o anterior, mais sempre se aprende ou aprimora alguma área. “Vive la diference - O conflito dos sexos”. Parece que vai mostrar os diferentes comportamentos dos sexos no seu dia a dia. “Como aumentar sua satisfação sexual”. Parece que o amor vai entrar novamente em cena! Que bom! Só não concordo que o amor só vem a partir do relacionamento sexual. “Os novos prazeres do sexo”. É um livro de bolso e parece ser completo perante a relacionamentos sexuais com os seus mais e menos gerais. “Somente para mulheres”. Deveriam ter muito mais livros mostrando para os homens práticas sexuais. Por que a maioria destes é voltada somente para as mulheres? Se as mulheres têm que satisfazer as necessidades sexuais masculinas os homens também têm que nos satisfazerem. Oito e quarenta e dois. “Sexo - Os limites do prazer”. Pela contra capa vai retratar a relação sexual num parâmetro religioso. É sempre bom saber sobre a sexualidade em várias áreas. “O jardim das delícias”. Pelas gravuras internas parece realmente ser uma delícia de livro. “Manual do orgasmo”. Espero que não tenha pontos não realistas como outro livro da mesma autora. Mais mesmo assim aprenderei mais um pouquinho! “Homens”. Acho que vai ser um bom livro pela contra capa. Irônico, debochado e realista. Parece relatar sobre o homem e seu comportamento perante a vida e o sexo oposto. “Sortilégios, magia negra e sexo”. A magia parece ser a do ato sexual. Agora a negra pelos dizeres superficiais não sei onde está. Mais bem que poderia ser negro! É África! Um, dois, três livros passavam e outros ficavam. E assim o tempo foi passando entre um autor e outro. Alguns compradores e vendedores partiram, partiam ou estavam prestes a partir. Luzes se apagavam, lojas fechavam e corredores iam ficando silenciosos. As vozes se distanciando chamou-lhe a atenção obrigando-a a olhar no relógio. Nove horas e cinqüenta minutos. Assustada com a passagem do tempo, a seu ver repentino, recolocou os livros aos seus lugares e acompanhada de outros seguiu para o caixa. Enquanto a moça tirava a notinha e fazia todo o processo com o cartão, percebeu que todas as lojas do corredor estavam vazias e semi-escuras. Com os livros na sacola colocou dentro da bolsa e se retirou. Apesar de toda a pressa, o sorveteiro muito atencioso lhe vendeu o seu último sorvete daquele noite. Percebeu a frente da sorveteria que ele ainda lá estava. E estava só, do lado de fora da banca recolhendo jornais, fitas de DVDs, gibis etc. Não resistiu em ir cumprimentá-lo e ouvir sua doce voz, que mais parecia uma ave canora. Parou ao seu lado e com um sorriso faceiro lhe ofereceu sorvete. Para uma breve tristeza ele recusou continuando com o trabalho. Passou por eles a moça da livraria e o sorveteiro. Sem saber o que dizer para não ser inconveniente, ficando ali mais um pouco, dengosamente ofereceu novamente o sorvete. Envergonhado de ter recusado anteriormente parou o que fazia, encostou-se à banca e com aquele sorriso tão esperado balançou a cabeça aceitando. Levou então o sorvete até os seus lábios que pareciam tão gostosos! Muito, mais muito mais gostosos do que o próprio sorvete de chocolate! Olhando em seus olhos o caminho do sorvete pareceu longo. Pensava que ele poderia tanto lhe oferecer aqueles lábios. Não iria recusar a oferta, nem por um momento! Os toques normais que fazia no sorvete foram para ela em demasia. Em meio a transpirações orgásticas, sentiu como seriam aqueles movimentos em outras regiões. Ficou sedenta com os lábios e os lábios umedecidos de gosto. O sorvete fez novamente o caminho de volta, só que agora, mais quente. Um segredo oculto invadiu o olhar de ambos. Foi quando ela percebeu uma gotinha de sorvete no canto da boca dele. Com um sinal disse para aguardar um momento e levou a mão em seu rosto. Não se conteve acariciando levemente a sua face. Deu-lhe um sorriso de desculpas e com o dedo indicador retirou o sorvete. Fez tudo tão lentamente como se quisesse gravar aqueles segundos para sempre na memória da mente. Sem perceber o seu próprio comportamento automático, levou o dedo na boca gustando o gosto fictício de um beijo dele. Devido aquele gesto, o silêncio se quebrou com um barulho enorme que se fez em suas almas. Percebendo que ele transpirava, aproximou-se de seu ser. Ao estarem face a face começou a beijá-lo suavemente no queixo, arrancando um suspiro o qual lhe foi dado como incentivo. Beijou o rosto delicadamente com o toque da língua. O nariz, os olhos, as pálpebras, a testa. Encontrou com a orelha e mordiscando invadiu o seu íntimo interior. Desceu para o pescoço e o prazer se intensificava a cada toque. Ambos sentindo suas respirações ofegantes mergulharam em um beijo ofegante. Os lábios que antes eram estranhos pareciam eternos conhecidos. E abraçados se amavam em um laço de afeição. Era definitivamente um beijo! E que beijo! Só de ver se podia senti-lo. Os beijos e os mini beijos começaram a esquentar devido à troca contínua de anseios e desejos. Direcionando as mãos do tronco para o quadril dele, arrancou-lhe mais um suspiro. Ardor! Pegou em suas pernas! Tensão ou tesão? Quem sabe os dois!? Beijos incessantes. Um ou dois? Não importa a quantidade; pois foram todos os botões abertos ficando a mercê dela o tronco dele. O botão, o zíper, a calça. O fálus agora respirando ao “ar livre” pedia úmides. Ela então pegou o sorvete e olhando em seus olhos passou na boca dele, no pescoço, no peito, nos mamilos, no umbigo e na barriga. As atenções de ambos se concentravam à medida que o sorvete caminhava. E se finalizou de encontro com o seu vertical e companhia, aliviando o desejo ou aumentando-o mais ainda. Beijos, mordidas e lambidas formavam um trio inseparável e incessante de torturas; no qual consumiam o sorvete da boca dele com voracidade. Trêmulo ele apoiou com os braços fortemente na banca. Á medida que a boca dela trabalhava, mais alvoroço provocava. Os toques foram para o tronco, o bico dos mamilos (deliciosos mamilos), a cavidade do umbigo. Devassador! O tempo parecia não ter fim. E também, pra quê?! Ela se aproximava do vertical ereto que já estava de cara para a lua. A tensão aumentava, o desejo dele e suas mãos firmes transpiravam contra a banca. Revistas foram ao chão num ato desesperado do toque dos lábios dela em sua glande. Movimentos, movimentos, movimentos de sucção, fricção e expulsão. A língua parecia línguas que iam e vinham, rodava, rodavam, rodopiavam, circulava, circulavam, preenchia, preenchiam, passava, passavam, lambia, lambiam com o vertical dentro ou fora. Nesses atos ela foi parar na companhia do seu vertical, que acariciando retirou o sorvete que lá continha. Ele não podendo mais suportar tal situação, se libertou em espasmo em meio a um jato embranquecido. Ao engolir todo o seu espasmo, ela voltou aos seus lábios e recomeçou ou começou com um beijo, outro beijo e outro beijo... Na mesma intensidade daquele primeiro beijo. Algo então começou a fluir novamente e entre os beijos ele perguntou-lhe se tinha mais sorvete. Letícia Luccheze. www.leticialuccheze.com Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript ativado para o visualizar

Ler mais: Heterosexuais



Adicionar aos teus Social Bookmarks favoritos
Reddit! Del.icio.us! Mixx! Free and Open Source Software News Google! Live! Facebook! StumbleUpon! TwitThis Joomla Free PHP
 

CONFIDÊNCIA NO RESERVADO

Confidências no Reservado (01:22:18) Letícia: entra na sala... (01:22:20) Luciano: entra na sala... (01:22:25) Luciano reservadamente fala para Todos: gostaria muito de conhecer uma mulher casada. Será possível? Tem alguma casada aqui afim de conversar? (01:22:29) Letícia reservadamente fala para Luciano: por que casada, algo em especial ou é apenas uma tara sexual? (01:22:36) Luciano reservadamente fala para Letícia: por algumas curiosidades e desejos ocultos. (01:22:48) Letícia reservadamente fala para Luciano: quais são os seus desejos? (01:22:53) Luciano reservadamente fala para Letícia: pode ser mesmo uma tara gostosa?! (01:23:07) Letícia reservadamente fala para Luciano: o que a casada tem que a solteira não tem? (01:23:12) Luciano reservadamente fala para Letícia: a casada sabe meter mais gostoso e também é a que gosta mais de pinto. (01:23:20) Letícia reservadamente fala para Luciano: isso não tem nada a ver! O que conta é o desejo de cada mulher, podendo ser casada ou não! E o seu caso não é tara e sim conveniência. (01:23:30) Luciano reservadamente fala para Letícia: tenho muita vontade de tirar com a boca a calcinha de uma casada e depois passar a língua... (01:23:47) Letícia reservadamente fala para Luciano: só a língua? Ah não! (01:23:52) Luciano reservadamente fala para Letícia: você gostaria de sentir a língua passeando por ela? (01:24:09) Letícia reservadamente fala para Luciano: passear nada! Tem é que introduzir, enfiar, morder, massagear, chupar... Esse negócio de só passar a língua é pra iniciante. E o engraçado é que têm homens que passam a língua lá umas três vezes e dizem que é relacionamento sexual oral! Isso é totalmente cômico! (01:24:16) Luciano reservadamente fala para Letícia: e você gosta de pinto grande? (01:24:21) Letícia reservadamente fala para Luciano: tem é que saber usar! (01:24:30) Luciano reservadamente fala para Letícia: hum. (01:24:40) Letícia reservadamente fala para Luciano: hum nada, é verdade! E tem homens achando que ter o pênis grande é o suficiente e não precisa fazer mais nada, enquanto que os de tamanho padrão (quinze centímetros de ereção) dão o show na cama e fora dela!!! E o que adianta ser grande se machuca a mulher, ou se a sua vagina não é compatível. Como existem vários tipos de pênis, existem também vários tipos de vaginas. (01:24:54) Luciano reservadamente fala para Letícia: você deixaria o meu pinto entrar em qual posição? (01:25:04) Letícia reservadamente fala para Luciano: a posição se faz de acordo com o tesão do momento e com a satisfação de ambos. (01:25:14) Luciano reservadamente fala para Letícia: e na bundinha você também deixaria entrar? (01:25:20) Letícia reservadamente fala para Luciano: só se for de quatro. (01:25:30) Luciano reservadamente fala para Letícia: você o deixaria entrar de quatro? (01:25:37) Letícia reservadamente fala para Luciano: de quatro, em pé, deitada e também com a bunda empinada. (01:25:43) Luciano reservadamente fala para Letícia: assim entraria tudo! (01:25:49) Letícia reservadamente fala para Luciano: aí é só gemer... (01:25:57) Luciano reservadamente fala para Letícia: e ainda ficaria quietinha pra ser toda comida??? (01:26:09) Letícia reservadamente fala para Luciano: como o leão devorando a leoa. O macho dominando a fêmea. (01:26:15) Luciano reservadamente fala para Letícia: sim e por que não e metendo sem parar... (01:26:24) Letícia reservadamente fala para Luciano: amo um relacionamento sexual selvagem! É uma coisa animalesca! Que tal puxar os cabelos e dar umas palmadas na bunda? (01:26:31) Luciano reservadamente fala para Letícia: por que não? Pelo jeito, você já aprontou muito por aí. (01:26:41) Letícia reservadamente fala para Luciano: se eu fosse confessar ao padre ele teria um ataque cardíaco. E você também aprontou! (01:26:50) Luciano reservadamente fala para Letícia: acho que sim. Aprontei! Já trepei até com a mulher que passava roupa em casa. Pode me contar a tua idade? (01:26:59) Letícia reservadamente fala para Luciano: trinta e um e você? (01:27:09) Luciano reservadamente fala para Letícia: tenho quarenta e seis anos. Com quem você aprontava? (01:27:14) Letícia reservadamente fala para Luciano: que tal nos confidenciarmos? Acho que teremos muita coisa picante pra contar. (01:27:20) Luciano reservadamente fala para Letícia: sim, o meu desejo é de nos confidenciarmos com sinceridade! (01:27:28) Letícia reservadamente fala para Luciano: uma vez tive um leve relacionamento com um padre sádico. Ele sentia prazer em morder e quanto mais eu falava que estava doendo, mais ele se excitava e mordia. (01:27:33) Luciano reservadamente fala para Letícia: ele só mordia e não gostava de enfiar? (01:27:47) Letícia reservadamente fala para Luciano: o pastor gostava, ele tinha a idade do meu pai. Depois desses envolvimentos, percebi que os pastores e padres são pessoas comuns como nós. E eu achava que eram pessoas praticamente santas... O padre celebra missas nas igrejas católicas e freqüenta festas homossexuais. Isso é que é padre heim! E os católicos acham que são melhores que os evangélicos. Não pode haver rilinhas entre religiões; pois Deus é único. (01:28:14) Luciano reservadamente fala para Letícia: também posso te contar um segredo? (01:28:19) Letícia reservadamente fala para Luciano: ok. (01:28:25) Luciano reservadamente fala para Letícia: namorei por três anos uma freira. (01:28:30) Letícia reservadamente fala para Luciano: ah safado! Você também! Estamos na profissão certa! Namorou escondido? (01:28:35) Luciano reservadamente fala para Letícia: quase escondido. (01:28:40) Letícia reservadamente fala para Luciano: você ia ao convento vê-la? (01:28:45) Luciano reservadamente fala para Letícia: não! Ela havia largado o convento para se casar com um homem. (01:28:49) Letícia reservadamente fala para Luciano: verdade? (01:28:53) Luciano reservadamente fala para Letícia: verdade. Quantas vezes você deu pro padre? (01:28:56) Letícia reservadamente fala para Luciano: nenhuma, porque sexualmente não sou fã de sadomasoquismo. (01:29:00) Luciano reservadamente fala para Letícia: anteontem a mesma freira ligou, e me convidou para qualquer dia desses ir passear na casa dela. (01:29:05) Letícia reservadamente fala para Luciano: isso quer dizer que você fez bem feito e a freira gostou do seu pau. (01:29:12) Luciano reservadamente fala para Letícia: e alguém sabe que você já foi do padre e do pastor? (01:29:19) Letícia reservadamente fala para Luciano: nada! Apenas satisfiz alguns desejos deles. O padre até cultivava um tesão; o qual me escreveu vários poemas declarando o seu fascínio. (01:29:25) Luciano reservadamente fala para Letícia: a freira gostou da minha língua e de sentar no meu pinto. Isso aconteceu aqui em Goiânia. (01:29:32) Letícia reservadamente fala para Luciano: coitada das mulheres puritanas! (01:29:40) Luciano reservadamente fala para Letícia: quem são as mulheres puritanas? (01:29:50) Letícia reservadamente fala para Luciano: as mulheres, que fingem não saber que estão sendo traídas. (01:30:00) Luciano reservadamente fala para Letícia: você acha que elas estão certas ou erradas de terem esse tipo de comportamento? (01:30:10) Letícia reservadamente fala para Luciano: elas não querem encarar a realidade e preferem escondê-la. Não tem amor próprio! Muitas são assim, dizem que vivem “melhor” em meio ao seu comodismo e falta de auto-estima. Ficam se enganando, com a ideologia de que a verdade dói. (01:30:19) Luciano reservadamente fala para Letícia: nunca havia pensado dessa forma. (01:30:25) Letícia reservadamente fala para Luciano: e se cada mulher mandasse embora o companheiro infiel, este mesmo homem pensaria duas vezes antes de cometer adultério com a próxima. (01:30:37) Luciano reservadamente fala para Letícia: sou totalmente hêtero e você? (01:30:55) Letícia reservadamente fala para Luciano: sou mulher heterossexual. Dando continuidade às confidencias, uma vez um bissexual tentou, que tentou ter relações sexuais comigo. Não fui porque não me interessava! Eu o conheci através de um código, colocado num panfleto de uma missa de uma igreja do Conjunto Fabiana. Para ele parar de insistir, sugeri outra idéia. Falei que se masturbasse e ejaculasse dentro de um coco, aí nós beberíamos a água juntos. (01:31:05) Luciano reservadamente fala para Letícia: ele topou? (01:31:09) Letícia reservadamente fala para Luciano: topou! Parou o carro e desci para comprar o coco. Quando pedi com um buraco maior, o vendedor sacou a sacanagem e ficou com tesão. Acho que ele queria entrar na brincadeira! (01:31:17) Luciano reservadamente fala para Letícia: o que mais aconteceu além da água de coco espumada de porra? (01:31:22) Letícia reservadamente fala para Luciano: chupei o pinto dele até a sua porra descer pela a minha garganta. (01:31:39) Luciano reservadamente fala para Letícia: e tudo isso foi feito em qual local? (01:31:45) Letícia reservadamente fala para Luciano: a chupada dentro do carro em movimento e a água de coco aconteceram próximo ao autódromo. Agora é a sua vez. (01:31:50) Luciano reservadamente fala para Letícia: você bem que podia me ajudar a desvendar essa minha tara por mulheres casadas! (01:32:10) Letícia reservadamente fala para Luciano: você é casado? (01:32:15) Luciano reservadamente fala para Letícia: sim! E você? (01:32:30) Letícia reservadamente fala para Luciano: não! Mais voltando a sua questão, a mulher sendo casada, vocês serão cúmplices e ela não te cobrará nada, porque sabe como o sistema funciona. Serão somente amantes. Nada de compromissos e namoros, por estarem no mesmo patamar (comprometidos com outrem). Pois a solteira daria muito trabalho, ela cobraria um namoro, um casamento e já quer que o homem separe da esposa, fazem escândalos etc.. E a casada não tem esse tipo de comportamento. Então a sua tara e apenas por conveniência. (01:32:37) Luciano reservadamente fala para Letícia: gostei da tua explicação. Disseram-me uma vez que toda mulher casada, tem uma fantasia de dá pra um pinto maior do que já tem em casa. Isso é verdade? (01:32:45) Letícia reservadamente fala para Luciano: não tem nada a vê; pois a massa feminina não pensa no pinto e sim no sentimento. As mulheres gostam de serem cortejadas e de sentirem que são amadas. Preferem ouvir a expressão “fazer amor” do que trepar, meter, comer, foder etc.. E não é você quem as come e sim elas é que o come. Pois é o seu pênis que entra por entre os lábios vaginais e lá eles são “chupados” e “devorados”. (01:32:60) Luciano reservadamente fala para Letícia: só sei que trepar com uma mulher casada o meu tesão aumenta duzentas vezes. Agora vamos à outra confidência. Eu também tive um caso com uma médica; no qual durou um ano. Os nossos encontros eram dentro do consultório. Ela me chamava e eu entrava como se fosse um paciente. (01:33:08) Letícia reservadamente fala para Luciano: era médica de quê? (01:33:14) Luciano reservadamente fala para Letícia: ela é psiquiatra. Teve um dia que ela sentiu tanto tesão no meu pau, que começou a gemer muito alto. (01:33:20) Letícia reservadamente fala para Luciano: as mulheres são românticas por criação e os homens duros de tesão. O que você faz da vida? (01:33:25) Luciano reservadamente fala para Letícia: sou funcionário público e você? (01:33:29) Letícia reservadamente fala para Luciano: também. (01:33:33) Luciano reservadamente fala para Letícia: o que mais você tem pra me contar? (01:33:40) Letícia reservadamente fala para Luciano: já tive casos com homens casados, noivos e enamorados. Homens de todos os tipos físicos, culturais, profissionais, financeiros, ideais e religiosos. (01:33:45) Luciano reservadamente fala para Letícia: você já transou com casais? (01:33:50) Letícia reservadamente fala para Luciano: já tive várias oportunidades, mas recusei todas. E você? (01:34:02) Luciano reservadamente fala para Letícia: por que você recusou? (01:34:12) Letícia reservadamente fala para Luciano: porque pra mim não é apenas convidar, se tem que conhecer muito bem as pessoas envolvidas. Tem que já serem amigas e íntimas. Porque o que tem de troca de fluídos não é brincadeira! Agora deixa amigos meus me convidarem pra você ver se eu não vou! (01:34:19) Luciano reservadamente fala para Letícia: eu já transei com um casal uma vez! Foi muito bom! É muito excitante!! (01:34:22) Letícia reservadamente fala para Luciano: conte os detalhes. (01:34:25) Luciano reservadamente fala para Letícia: quer mesmo saber? (01:34:29) Letícia reservadamente fala para Luciano: tudinho. (01:34:33) Luciano reservadamente fala para Letícia: você está com tesão com essa nossa conversa? (01:34:36) Letícia reservadamente fala para Luciano: estou com muito T ! E você está com T? (01:34:45) Luciano reservadamente fala para Letícia: eu também. Mais se prepara que eu vou deixá-la ainda com mais tesão!!! Em falar nisso, como está vestida? (01:34:49) Letícia reservadamente fala para Luciano: com um vestido longo e você? (01:34:55) Luciano reservadamente fala para Letícia: estou de camiseta e cueca e o meu pau duro está do lado de fora. (01:35:04) Letícia reservadamente fala para Luciano: detalhista! Você deve arranca muitos gemidos? (01:35:15) Luciano reservadamente fala para Letícia: arranco gemidos e gritos de ai, ai, ai... Você está com ou sem calcinha? (01:35:19) Letícia reservadamente fala para Luciano: não uso roupa íntima. (01:35:31) Luciano reservadamente fala para Letícia: que delícia! Peladinha por baixo!!! Voltando ao assunto, tudo começou na Net, numa noite aqui no Bate Papo. Não estava tendo mulher pra conversar, mas de repente entrou um casal se insinuando. E o marido começou a perguntar como eu era sexualmente falando. (01:35:39) Letícia reservadamente fala para Luciano: a massa confundi sala de Bate Papo com casa da luz vermelha, achando que todos aqui são prostitutos! (01:35:46) Luciano reservadamente fala para Letícia: aí o marido disse que era professor e que tinha umas fantasias sexuais. (01:35:51) Letícia reservadamente fala para Luciano: ih! Vai vê é funcionário público também. (01:35:57) Luciano reservadamente fala para Letícia: ele perguntou se eu era carinhoso e se tinha pelos nas pernas. (01:36:02) Letícia reservadamente fala para Luciano: hum. (01:36:13) Luciano reservadamente fala para Letícia: interrompendo um pouquinho a minha narração, você bem que podia imaginar o meu pau entrando no meio das suas coxas, querendo comer a sua buceta! (01:36:17) Letícia reservadamente fala para Luciano: ah não! É só isso que ele vai comer? (01:36:23) Luciano reservadamente fala para Letícia: está bom! Mais voltando à confidência, ele foi me perguntando tudo e eu prontamente respondendo. (01:36:26) Letícia reservadamente fala para Luciano: humm. (01:36:30) Luciano reservadamente fala para Letícia: quer que eu continue? (01:36:38) Letícia reservadamente fala para Luciano: continue, continue... (01:36:47) Luciano reservadamente fala para Letícia: você está visualizando tudo? Está gostando de visualizar o meu pau entrando? (01:36:59) Letícia reservadamente fala para Luciano: continua a história! (01:37:10) Luciano reservadamente fala para Letícia: ele queria saber mesmo era o tamanho do meu pau. Respondi em meio à confidência da fantasia sexual dele e da mulher. (01:37:13) Letícia reservadamente fala para Luciano: e qual era a fantasia? (01:37:20) Luciano reservadamente fala para Letícia: ele disse que tinha o desejo de ver um cara tendo relações sexuais com a sua mulher de quatro; até encher o cu e buceta dela encher de porra. Depois ele metia incansavelmente sob a porra quente do outro homem até encharcá-la novamente. (01:37:30) Letícia reservadamente fala para Luciano: ah!!!... Interessante o desejo deles! E a nossa conversa está muito boa! Mais tenho que ir agora Amore! Pois amanhã que já é hoje tenho que trabalhar. (01:37:38) Luciano reservadamente fala para Letícia: me dá o seu e-mail. (01:37:45) Letícia reservadamente fala para Luciano: Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript ativado para o visualizar (01:37:57) Luciano reservadamente fala para Letícia: vou te escrever. (01:38:08) Letícia reservadamente fala para Luciano: ok Amore! Beijos! (01:38:15) Luciano reservadamente fala para Letícia: outros beijos! (01:38:19) Letícia reservadamente fala para Luciano: tchau! (01:38:22) Luciano reservadamente fala para Letícia: tchau! (01:38:23) Letícia: sai da sala... (01:38:32) Luciano reservadamente fala para Todos: gostaria muito de conhecer uma mulher casada. Será possível? Tem alguma casada aqui afim de conversar?... Letícia Luccheze. www.leticialuccheze.com Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript ativado para o visualizar

Ler mais: Heterosexuais



Adicionar aos teus Social Bookmarks favoritos
Reddit! Del.icio.us! Mixx! Free and Open Source Software News Google! Live! Facebook! StumbleUpon! TwitThis Joomla Free PHP
 

ARROMBEI UMA NINFETINHA NO LAZER DA ESCOLA

Fim de ano é sempre a mesma coisa. Amigo secreto, confraternização e coisa e tal. Isso que vou narrar aconteceu comigo no ano passado. Só vou contar agora porque dia 19/12 vou nessa mesma confraternização e isso me deu vontade de relatar o que aconteceu em 2007. Durante a semana nossa coordenadora da escola recolheu dinheiro para uma confraternização num sítio. Até aí legal mas já fiquei imaginando o saco que seria. Professores quando estão juntos o papo é sempre o mesmo: aluno. Chegando o dia do tal lazer peguei meu carro e fui na escola encontrar com o pessoal. Lá quem não tinha carro se ajeitava com quem tinha. Todos em cada carro rumamos para o sítio. No caminho bastante descontração, risadas, piadinhas, etc. Chegando no sítio começamos a organizar as coisas: ligar o som, colocar a cerveja na geladeira, os variados pratos e etc. Me animei porque o lazer não se resumia só em professores vi que amigos e parentes também vieram. Nessa reparei numa ninfetinha que fora também convidada e que ajudava na arrumação. Claro que o nome dela não vou dizer mas o perfil não posso deixar de descrever: cabelos compridos e pretos, seios pequenos, bundinha empinada, pernas cumpridas e usava um shortinho azul que realçava sua beleza e sensualidade. Com os comes e bebes e som rolando a festa começou a ficar mais animada. Pela menina ser muito bonita não parava de olhar para ela, principalmente para sua bunda. Como sou louco por bunda não tinha como disfarçar meu desejo. Quando ela foi para a piscina não perdi tempo, fui atrás. Na piscina me aproximei e começamos a conversar. Voltamos para o rancho e fiquei ainda conversando um pouco com ela. Comecei a reparar que durante todo aquele dia ela não parava de me olhar. Um dos meus colegas até comentou da pagada de pau que ela estava dando. Meus olhos não desgrudavam da bundinha dela. E pensei comigo: se der esquema vou dar uns pega nessa mina. Com a cabeça cheia de cerveja fui dar uns mergulhos de novo e logo atrás vinha a perdição entrando na piscina também. Me animei e nadei em direção dela. - E aí está gostando do lazer? - Estou sim. Um pessoal bacana e divertido né! - É verdade. Eu pensei que seria chato mas estou vendo que valeu a pena! Reparei que ela estava com medo e perguntei. - Você não sabe nadar? - Sei mas muito pouco. Tenho medo de ir para o fundo! - Pode vir eu fico perto de você! Ela então começou a entrar um pouco mais. Num dado momento ela ficou insegura e se arragou no meu ombro. Eu nada bobo dei mais um passo em direção da parte funda. Aí ela segurou de verdade e disse: - Aqui é fundo. Tenho medo! - Não se preocupe segura em mim! Na piscina tinha algumas crianças brincando que nem repararam em nós. Nessas alturas minha rola já estava dura dentro da sunga. Conforme a agitação fui me encostando nela por trás. Acho que ela sacou o lance pois foi encostando sua bundinha no volume do meu pau. - Me segura tá, se não afundo! Meu pau estava tão duro que achei que iria comer aquela menina ali mesmo. Esfregava discaradamente e ela gostando. Não aguentando mais disse: - Já vi que você está gostando da encoxada! - Disfarça se não a criançada vai perceber! Comecei a passar a mão na bucetinha dela por cima do biquini. Ela então passou a gemer baixinho e apertar meu pau. - Ssssssss...que rola dura meu Deus do céu! Como ali não tinha jeito nos recompomos e disse então: - Vamos fazer o seguinte você sai primeiro da piscina e depois eu saiu. Te encontro num quartinho de ferramentas perto do campinho de futebol lá embaixo tá! Assim fizemos. Fui até o tal quartinho e fiquei esperando. Alguns minutos depois ela apareceu. Disfarçamos tão bem que ninguém sacou nada. Entramos já nos agarrando feito loucos. Beijei com vontade aquela boca e ela a apertar meu pau por cima da sunga. - Vamos logo não podemos demorar muito tempo se não as pessoas vão sacar que sumimos! Comecei então a mamar os peitinhos dela e a passar a mão em sua bundinha. Ela ajoelhou-se e tirou meu pau da sunga. Olhou com admiração e disse: - Noooossaaa que cabeçona, sssssss... Apesar de ser novinha sabia mamar um pau muito bem. Colocava inteirinho na boca, lambia, chupava a cabeça e descia até embaixo. - Isso safadinha chupa essa rola, sssssss....aaaaiiiiii...que delícia de boquinha! Caí de língua na bucetinha dela. Gemeu até pedir que comesse logo. - Vai come logo não aguento mais come! Nesse quartinho tinha uma mesa um pouco baixa. Ela se apoiou na mesa e encostei minha rola por trás. Esfreguei a cabeçona na entradinha da buceta e fui colocando bem devagar. - Aaaaaiiiiiii...sssssss...iiiiisso de-va-gar! - Nooossaaa que bucetinha apertadinha hein! Iniciei o vai e vem bem gostoso naquela bucetinha linda. Enquanto metia naquela ninfeta escutávamos o barulho dos garotos brincando no campinho. - João você vai no gol beleza? - Eu também quero jogar Edson! - O meu já está completo vai pro lado do Jefferson... Escutando isso e plaft, plaft, plaft na bucetinha da minha putinha. Como estava sem camisinha disse que iria comer o cuzinho dela até gozar. Ela por sua vez disse: - A nããão, eu nunca dei o cú e tenho meeeedo! - Relaxa minha lindinha. Eu coloco bem devagar se doer eu paro! (falei tirando o pau da buceta e punhetando devagar) - Não sei. Minhas amigas dizem que mulher que dá o cú é vagabunda! - Que ridículo. Não tem nada a ver. Hoje em dia muitas meninas estão dando a bundinha sem nenhum problema! - Eu sei mas não é normal! - No sexo tudo pode acontecer. O que manda é o prazer. Deixa eu comer vai. Dá o cuzinho pra mim dá! - Tudo bem vamos tentar. Mas bem devagar hein! Sem demora passei saliva no cuzinho dela e encostei a cabeçona. Fui então empurrando bem devagar. A cabeça já se cumprimia na portinha do cú. A ninfetinha se contorcia de medo e ansiedade. Foi indo, foi indo e passou a cabeça. - Noooossaaaa...que cú apertado! - Aaaaaaiiiiii devagarzinho, assiiiimm. Seu pinto é muito grosso! Meu pau já começava a ser engulido pelo cuzinho dela. Iniciei então um vai e vem bem devagar até acostumar. Enquanto isso, lá fora: - Vai João agarra a bola pô! - Gooooolllll!!!!! - Caralho meu. Segura os cara aí pô! A garotada jogando bola e eu comendo um cuzinho apertadinho de uma ninfeta. Nessas alturas eu já tinha aumentado a velocidade e a safadinha rebolando no meu pau bem gostoso. - Ai, ai, ai, ai, ssss, uiiiiii, delícia de cacete. Fode. arromba minha bunda. Aaaaaiiiii, uuuuummmmm, sssssss... - Nossa que cuzinho gostoso! O cuzinho dela já acostumara com meu pau pois flexionava com mais facilidade. Eu socava bem gostoso e beijava a nuca dela. Ela virava pra trás e me dava um beijo na boca dizendo baixinho: - Pintão gostoso, aaaiiiiii, ssss...arromba meu cú, iiisso... Depois de tanto entra e sai naquele cú fantástico anunciei que iria gozar. - Aaaai vou gozar, vou gozar, vou... Comecei a bombar o cú dela com força e despejar minha porra reto a dentro. Ela gemia alto e rebolava gostoso. - Isso goza no meu cú, enche ele de porra vai! - Que cuzinho safado! Toma minha porra caralho! Falava isso e empurrava todo o cacete até o saco. Que metida gostosa. Gozei feito um besta naquela bundinha gulosa. Nem parecia ser virgem aquele cuzinho lindo e delicioso. Meu pau aos poucos amolecia dentro do rabinho dela. Tirei e pedi que chupasse mas ela não quis. Limpou apenas na calcinha. - Nossa que foda! Meu cú está até amortecido de tanto levar pau! - Não esquenta daqui a pouco passa. Você mete gostoso pra caramba! - É nada, você que mete gostoso.Só não fala pra ninguém tá! ( dizia isso pegando no pau com todo carinho) - Tudo bem! Coloquei a sunga e ela o biquini e ficamos esperando uma oportunidade de sair do quartinho. Quando chegou a hora certa ela saiu primeiro e minutos depois eu saí. No rancho o pessoal bebia e dançava. Nem se tocaram do nosso sumisso. Ela foi novamente para a piscina e eu pegar uma cerveja na geladeira. Na próxima sexta vai ter confraternização de novo e estou torcendo que ela apareça por lá. Não acredito muito pois nestes dias eu a vi com um namoradinho. Não precisa ser ela pois se pintar outra eu arrasto para o quartinho também (rsrsrsrs). Mulherada estou aguardando seu e-mail. Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript ativado para o visualizar

Ler mais: Heterosexuais



Adicionar aos teus Social Bookmarks favoritos
Reddit! Del.icio.us! Mixx! Free and Open Source Software News Google! Live! Facebook! StumbleUpon! TwitThis Joomla Free PHP
 

O substituto do Rafa

O substituto do Rafa Sempre que eu estava com vontade de ser enrabado, ia à casa do Rafa meu colega de escola e nos trancávamos no quarto e transavamos à vontade alegando que estávamos estudando. Mas um dia ao chegar a sua casa, fui recebido pelo seu pai Sr Augusto, que disse estar sozinho, pois foram fazer compras e só retornariam a noite. Fiquei chateado e ao tentar despedir-me do Augusto, como gosta de ser chamado, me fez entrar, e na cozinha, serviu-me um café e começou a puxar conversa. Contou que há muito tempo vem me observando e apreciando a minha bundinha, sempre que eu ia a sua casa para estudar com seu filho ele ficava excitado, quando eu andava pelado pela casa, procurava sempre estar por perto para apreciar-la, mas nunca deixou transparecer. Com a vontade de dar que eu estava mais aquele tom de conversa o meu cuzinho começou a piscar, obrigando-me a mexer-me na cadeira, a abrir e fechar as pernas, comecei a ficar impaciente. Augusto dizia, agora quem sabe chegou à vez de vê-la de perto e apontou para sua calça. Notei o tamanho do pacote que ele trazia escondido e aquilo me deu um arrepio, por mais que tentasse disfarçar acabava olhando para aquele volume, e cada vez que eu olhava sentia que ele crescia. Eu estava excitado e apavorado pelo tamanho do pacote, achava que não aguentaria aquela rola. Ele continuou falando e de vez em quando passava a mão no pacote, ajeitava-o e ele aumentava, até que sem o menor constrangimento, perguntou se eu queria que ele tirasse para fora afim de saciar minha curiosidade, e admira-la. Fiquei meio encabulado, balancei a cabeça e ele rapidamente tirou a calça e a cueca e expôs uma bela pica, dura e pulsante, com uma enorme cabeça, que mais parecia um chapéu mexicano, a pubis toda raspada, dava a impressão de ser maior ainda o pau. Perguntou se na ausência do Rafa ele (e balançou o pau) poderia ser útil em alguma coisa, e nessa hora, tomado por um impulso estranho, fui até ele, com o cu piscando a mil e a respiração ofegante, agarrei aquela maravilhosa vara, grossa, dura, lisinha que estava a pulsar, e a acariciei, apertei-a com as mãos. Olhava para seus olhos com um olhar de suplica, ele entendeu que eu queria mas estava com medo, me abraçou, transmitindo-me segurança. Tirei a roupa rapidinho, e sem dizer nada, abocanhei aquela verga que quase não cabia em minha boca e a chupei com gula. Ele me alisava e falava que sabia que o Rafa me enrabava, tinha vontade de fazê-lo também, mas eu só procurava o filho então ele ficava na saudade e por isso ja tinha batido varias punhetas pensando na minha bundinha. Eu ate aquele momento só tinha visto e experimentado o pau do Rafa e dos outros meninos que iam à escola, mas esse era totalmente diferente. Eu estava transtornado e assustado com aquele cacete, era muito bonito, grosso e grande, uma bela cabeça vermelha que convidava para uma bela enrabada. Assustado mas, com uma tesão louca para engoli-la, tinha medo que não coubesse no meu cuzinho, e na ânsia de introduzi-la, poderia machucar-me, mas ao mesmo tempo um desejo enorme de experimentá-la. Augusto deve ter percebido minha duvida e começou a beijar, morder, alisar e cutucava meu buraquinho com a lingua, aquele toque macio no meu buraquinho me levou ao extremo. Dai por diante eu estava entregue aos seus desejos e não oferecia nenhuma resistencia, percebi que ele enfiou delicadamente o dedo lambuzado de um creme no meu cuzinho e rodava, deixando-me mais louco ainda. Aproveitou que eu estava no auge do tesão, enfiou dois dedos no meu anelzinho, que delicia, alargou-o ainda mais rodando os dedos, levando-me a maior excitação possível. De repente tira os dedos, sinto que aquela maravilhosa chapeleta começa a forçar a entrada, fiquei apreensivo, esperando uma dor tremenda, mas o que senti foi uma fina dor que vai aos poucos aumentando, aumentando. Assustado tentei escapar, mas estava preso nos braços dele e em vez de sair, acabei me mexendo o que fez minhas nadegas se abrirem mais e com o cuzinho e a cabeça lambuzados de creme, percebo que começa a entrar, relaxei, quase desmaiei, senti tonturas e um calor gostoso percorre o meu corpo. Augusto fica por um tempo paralizado, só com a cabecinha dentro, saboreando sua recente conquista, alisava minha bunda e esperava eu me acostumar, conseguiu realizar seu sonho, morde carinhosamente minhas costas e aos poucos vai empurrando lentamente sua vara em minha bundinha, eu sinto meu cu ir se abrindo ate chegar ao maximo e consigo agasalhar seu pau por inteiro. Eu vibro de alegria em te-la todinha dentro do meu rabinho. Ele fala ao meu ouvido, mas não sei o que é, só sinto que ele bomba pausadamente, e carinhosamente alisa meu corpo inteiro, como se quisesse tirar o maior proveito do meu rabo, estou entregue a mais grossa e mais gostosa vara que já tinha experimentado. Ele começa a acelerar seus movimentos de vai e vem levando-me à loucura, de repente um mar de leite invade meu rabo, esquentando-me todo por dentro. Fiquei quieto sentindo seu pau pulsar e ser recolhido, o leite escorre pelas pernas, fomos ao banheiro nos lavamos, e voltamos para a cozinha. Estou euforico, adorei a experiencia, ele carinhosamente me coloca em seu colo, e sinto sua vara começar a levantar-se forçando a minha bundinha, tentando cutucar-me novamente. Vou rebolando e ajeitando ate sentir que ela se encaixou no meu reguinho, e agora eu a mordo com a minha bundinha. Quero mais, gostei daquela pica e do modo como tratou meu rabinho, ele se recompoe e também quer mais, está feliz por ter conseguido a bundinha tão sonhada. Tomamos um café, eu estou eufórico e brinco com o cacete o tempo todo. Augusto só faz elogios a minha bunda e ao meu cuzinho e eu estou tão encantado com seu pau que quero aproveitar ao maximo essa sensacional vara que acabei de conhecer. Pau duro novamente, à custa de varias chupadas deliciosas, apoiei minhas mãos na cadeira abri bem as pernas e ofereci novamente minha bunda para aquele senhor pau que já lambuzado vem se aconchegando, esfrega-se no meu rego lambuzando-o e encosta a ponta no meu cuzinho, dá uma espetada bem aproveitada. Um frio percorre minha espinha, uma dor gostosa rodeia meu cuzinho, fico retesado enquanto a cabeça força a entrada, vou relaxando, me mexendo, rebolando e recebendo novamente aquele formoso pau que provoca uma sensação de prazer enorme. Augusto está radiante por estar com a sonhada bundinha em sua vara, empurra suavemente para dentro, sinto seus grãos baterem em minha bunda, agora, me segura pelo quadril e bomba com força, estocadas fortes e rápidas, o que faz meu cu ficar ardendo. No auge da excitação levanto meu corpo e encosto ao seu, abraço-o por traz e sinto seu pau entrar e sair do meu do meu cuzinho com a rapidez de suas bombadas. Ele me aperta empurra tudo que pode levantando-me do chão, fico preso pelo pau na bunda e pelo abraço na cintura e derrama dentro de mim seu leite quente, estou desfalecido, mole, quase desmaiando de pura tesão. Fomos ao banheiro nos lavamos novamente e combinamos que sempre que ele estiver sozinho, me ligará e eu irei fazer-lhe companhia. Isso já aconteceu muitas vezes e eu gosto cada vez mais, mas, nem por isso deixei de estudar com o Rafa e toda vez que eu venho estudar faço questão de passar na frente do velho, totalmente pelado e ainda dou umas reboladas.

Ler mais: Heterosexuais



Adicionar aos teus Social Bookmarks favoritos
Reddit! Del.icio.us! Mixx! Free and Open Source Software News Google! Live! Facebook! StumbleUpon! TwitThis Joomla Free PHP
 

UMA FODA GSTOSA COM A COLEGA DE GRUPO

Mais uma vez faço questão de publicar mais uma das minhas aventuras deliciosas e que a veracidade dos fatos me faz relembrar os momentos mágicos da trepada. Vamos ao conto. Como estou participando de um projeto de um curso que faço, sempre trabalhamos em grupo. Os encontros é sempre na casa de alguém da turma. Minha turma é composta de seis garotas e quatro rapazes. Das garotas uma sempre me chama atenção principalmente do seu rabão maravilhoso. Seu nome Bruna (fictício). Cabelos compridos escuros, 33 anos, 1,67 de altura, seios médios e uma bunda empinada e carnuda. Como adoro bunda não podia deixar de apreciar e comer na punheta de vez em quando. Meu amigos da turma também não param de olhar o rabo dela. Claro que as outras também eram gostosas mas Bruna, para chamar atenção, sempre colocava uma calça apertada só para valorizar o traseiro e manter a atenção dos homens sobre ela. Neste feriado prolongado (12/10) aproveitamos para nos reunir e adiantar nosso projeto. O local escolhido foi a casa da Bruna. Chegamos por volta das dez da manhã e começamos o trabalho. Como Bruna estava em casa ficou mais à vontade. A safada usava um shortinho branco tão curtinho que destacava o pernão maravinhoso dela enquanto que a bunda saltava aos nossos olhos. Outras meninas ficavam incomodadas com a concorrente que era forte demais para elas. Quando Bruna saía uma ou outra dizia: - A Bruna está ridícula com esse short né! E outra completava: - Parece uma puta! E eu dizia: - Meninas ela está a vontade por que a casa é dela! E uma das meninas: - Sei. É lógico que vocês a defendem não param de olhar o bundão dela! E Bruna chegava rebolando o cuzão parecendo saber que as meninas estavam incomodadas com ela. Como sou tarado por bunda, lógico que meu pau já estava em alerta a muito tempo. Toda hora passava a mão no meu pau imaginando uma foda deliciosa naquele rabo. E pensava comigo: Se pintar uma oportunidade eu como esse cuzão gostoso. Com a hora já avançando e o trabalho já bem adiantado a galera começava a querer ir embora. Para concluir o trabalho faltava digitar, formatar e coisas assim. Como o pessoal já estava cançado e queria curtir um pouco do feriado acabei me oferecendo para digitar antes de ir embora. Bruna então me ofereceu seu computador para digitar que de pronto aceitei. Os integrantes do grupo se despediram ficando só eu e Bruna. Meu cacete até doía dentro da calça. Bruna me ajudava ditando o texto. Como já era noite (20:30) pensei numa pizza. - Bruna vamos pedir uma pizza! - Eu topo! Pedimos uma pizza. Enquanto a pizza não vinha paramos um pouco para beber umas cervejas que ela tinha na geladeira. Percebia que Bruna já estava mais falante e rindo à toa. Ela então pegou uma garrafa de vinho e começamos a beber. Estava louco para comer aquela bunda e não poderia deixar escapar aquela chance. Chegou a pizza comemos uns dois pedaços e continuamos com o vinho. Claro que com a cerveja e o vinho fiquei com vontade de ir ao banheiro. Disse onde ficava e fui correndo urinar. Na pressa deixei a porta do banheiro aberta e comecei a urinar. Enquanto urinava percebi que Bruna tentava olhar meu pau pelo espelho. Para matar sua curiosidade comecei a exibir meu cacete já duro mas fazendo de conta que não estava vendo. E Bruna diz: - Coisa feia mijando com a porta aberta né! - Relaxa Bruna estamos sozinhos! - Sei! Continuei: - Você nunca viu um homem mijando na sua vida não é? - Já vi mas não com o pau duro igual o seu! Pensei comigo, tinha que ser agora. Virei-me para ela e balancei o cacete duro como uma rocha. - E sabe porque ele está duro assim Bruna? - Não! - Por causa da tua bundona gostosa! Ela ficou séria e sem graça. Para quebrar o gelo disse: - Vamos terminar de digitar vai! Saí com o cacete duro dentro da calça e ela olhando o volume. Quando me dirigia ao computador ela entrou na minha frente rebolando o cuzão e disse: - Olha então seu tarado! Olha para minha bunda e lambe com a testa! Não aguentei e segurei Bruna por trás. - Delícia de rabo Bruna! - Solta seu tarado! - Desculpe mas não resisto de pelo menos esfregar minha rola na sua bunda! Esfregava meu pau no rabo dela. Já nem me importanto com sua recusa. Bruna tentava se desvencilhar de mim mas era inútil. - Me solta D.! - Ai Bruna não aguento mais só de ver sua bunda, deixa eu comer seu cú vai! Meu cacete encostado no bundão dela enquanto umas das minhas mãos apertava seus seios e a outra a xoxota. Bruna já não lutava tanto como no começo. Ela levou uma das mão para trás procurando meu pau. Começou a alisar meu cacete por cima da calça. - Ai D. não estou aguentado. Que droga eu não queria que acontecesse isso! - Relaxa Bruna ninguém vai saber. Vem, chupa meu pau vem gata! Ela tira minha calça e cai de boca na minha rola. Passava a língua com desejo na cabeçona e engolia sem cerimônia. Que chupeta deliciosa. - Isso Bruna chupa essa rola bem gostosa. Deixa ela bem dura para fuder seu cuzinho daqui a pouco! - Aaaaaaiiiiiiii, que pica gostosa D.! Não queria gozar com seu boquete queria mesmo era aproveitar cada momento dentro dela. Então tirei meu pau de sua boca e fui tirando seu shortinho. Nuazinha comecei a chupar sua bucetinha no sofá. Bruna ía a Lua e voltava. - Ssssssssssssss...ai que língua gostosaaaaaaa... Não aguentando mais Bruna implora: - Vai caralho me come que não aguento mais porra! De prontidão atendi seu pedido. Encostei a cabeçona na entradinha da buceta e fui empurrando devagar. - Issooooooo...aaaaaaa...ssssssssss...come desgraçado... Socava com vontade naquela buceta maravilhosa. Depois de várias bombadas gozei gostoso na bucetinha gulosa dela. - Nossa D. quanta porra! Ainda com o pau duro pedi para Bruna: - Dá o cuzinho pra mim Bruna. Sou louco para comer sua bunda! - É lógico que vou dar. Pega o gel na gaveta pra mim! Corri pegar o gel antes que ela mudasse de idéia. Bruna ficou de quatro no sofá com o rabão levantado para mim e disse: - Passa o gel no meu cuzinho e depois no seu pau gato! Passava o gel e contemplava aquele rabo que daqui a pouco seria invadido pela minha rola. Depois de passado no meu pau me posicionei por trás dela e fui empurrando a cabeça no cuzinho tão sonhado. - Aaaaaaaaaaaaaaiii delííííííciaaa... - Uuuuuiiiii que cú apertadinho Bruna! - Vaaaaiiiiii...fode meu rabo fode! Que delicia sentir o calor daquele cú no meu pau. Comecei o vai e vem sem dó. - Toma rola Bruna! - Ai não para D. soca esse pau no meu rabo soca! Ela rebolava no meu pau e eu bombando bem gostoso naquele cú que muitas vezes imaginava estar comendo e que graças a deus estava realizando meu sonho. (plaft, plaft, plaft...) O cú de Bruna engolia meu pau com vontade. Eu afundando minha rola no rabo dela e ela rebolando no meu pau. Que visão linda, ela de quatro com a bunda empinada e eu socando a vara até o saco. -Ai Bruna que cú gostoso da porra! (plaft, plaft, paft...) - Então come tarado, come essa bunda! Você pensa que não sei que você queria comer meu rabo! - Queria mesmo e faz tempo! - Então soca a rola nesse cú que ele é seu vai. Come com vontade que eu adoro rola no rabo! (plaft, plaft, plaft...) - Ai, ai , ai , ai que delícia de pau D.! - Rebola sua puta! - Sim, sim rebolo. Assim que você gosta é, assim! - Isso desse jeito mesmo gata. Continua não para de mexer esse bundão no meu cacete! Depois de bombar gostoso naquele rabo delicioso anunciei o gozo. - Ai vou gozar Bruna, vou gozar, vou aaaaaaaaaaaaaaaaaaiiii caralho... - Isso D. goza dentro do meu cú goza safado goza! - Ai, ai ,ai, ai toma meu leitinho toma safada aaaaaaaa...ssssssss...! Enchi o cuzinho da Bruna de porra. Tirei o pau e ela ainda ficou com o bundão levantado e o cuzinho aberto. Escorria porra em direção de sua bucetinha. Bruna pediu para eu pegar uma toalha de rosto e dei para ela. Bruna limpava olhando satisfeita para mim. - E então gostou D.!? - Que delícia de cú Bruna! - Não vai falar pra ninguém hem! - Claro que não! Fomos tomar banho juntos e no esfrega esfrega no chuveiro acabei comendo o cú dela de novo. Como já era tarde dormi por lá mesmo. Daqui a duas semanas vamos nos reunir em outra casa. Espero conseguir comer de novo. Se rolar prometo publicar. Espero que gostaram desta minha foda. Não me importo se acreditem ou não o que me interessa é que comi gostoso aquele rabão tão desejado. Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript ativado para o visualizar

Ler mais: Heterosexuais



Adicionar aos teus Social Bookmarks favoritos
Reddit! Del.icio.us! Mixx! Free and Open Source Software News Google! Live! Facebook! StumbleUpon! TwitThis Joomla Free PHP
 
Pág. 7 de 8

Encontros Íntimos

Encontros Amorosos